[GDL] – Life is Strange

19.4.17

Até agora, nós falamos de Filmes que Deveriam Ser Lidos. Porém, não são apenas os filmes possuem histórias incríveis que devem ser lidas, mas também os jogos de videogame. Sim, não basta ser um nerd de livros, também amo um bom jogo. Como vimos o exemplo de Assassin’s Creed, games podem ser adaptados para as páginas amareladas, existem muitas outras histórias que merecem ser contadas além de seus CGI’s.



Você já ouviu falar de Life is Strange? Um jogo que é totalmente dirigido pela história, sem ação ou grandes sequências de luta ou crimes – já o destacando em meio a tantos jogos com histórias fracas e totalmente baseado na ação ~cofcofgtacofcof.
A história se passa em Arcadia Bay, Oregon, e segue a trajetória de Maxine Caulfield, Max, pra encurtar. Estudante de colégio – essa parte é um pouco clichê; mas confie em mim quando digo que só esse detalhe é clichê –, Max experimenta uma estranha visão durante uma aula de fotografia: ela vê sua cidade sendo destruída por um gigantesco furacão. O jogador é jogado dentro do jogo nessa situação, e seria incrível, como leitor, experimentar um prólogo exatamente assim. Seria como ter um furacão dentro da cabeça.
Quando voltamos para a realidade, ficamos tão perplexos quanto à personagem. Não sabemos o que acontece ou de onde veio aquele estranho sonho – ou o que pensamos ser um sonho. Pedimos licença ao professor e vamos ao banheiro. Logo em seguida, um rapaz e uma menina surgem; como esperado, o menino atira na menina com um revolver. O que? Só eu acho que isso é uma coisa comum? O que vocês acharam que ia acontecer quando dois adolescentes entram juntos num banheiro ~relativamente~ isolado?
Pega de surpresa, Max faz a única coisa plausível que um personagem pode fazer em um momento desses: descobrir seus superpoderes. Ela usa sua habilidade de rebobinar a fita cassete do tempo ~ chamando todas as crianças dos anos 90 pra trás ~ para salvar a garota, que descobrimos ser Chloe, a melhor amiga de infância de Max. A partir daí, uma corrente de eventos acontecem até chegarmos ao momento do furacão, quando temos que tomar a mais difícil decisão do jogo.


Apesar da rica história, uma das partes mais importantes de Life is Strange, é a tomada de decisões. Tudo que escolhemos fazer afetará o decorrer da história. Seja consolar ou zombar uma patrícia, ou tirar ou não uma foto de animais mortos (só quem jogou, sabe do que estou falando). Para que o livro dê certo, é preciso retirar essa parte, o que retiraria um pouco da essência e objetivo do jogo. Ao mesmo tempo, estamos falando de um livro, então, não creio que faria muita falta.
Outro detalhe, é que o game possui dois finais, dependendo da última escolha que nós fazemos. Isso, sim, é um problema difícil de contornar. Tudo dependeria do próprio autor, mas, mesmo o melhor de nós – autores – não seria capaz de evitar as emoções do final, seja para um lado ou para outro.
Life is Strange seria uma adaptação que não faltaria na minha estante.
Agora, qual é seu superpoder e como o descobriu? Quero saber a história nos comentários! E ajude-nos a decidir qual jogo vamos falar na próxima. Vote aqui. As votações vão até dia 30.04!

You Might Also Like

2 comments

Página Um Beijo