[FDL] - O Contador

3.5.17

por Maida
Todo mundo já deve ter lido um livro que quando acabou pensou: Esse livro daria um ótimo filme. Mas e filme que deveria ser um livro? Eu tive essa sensação quando assisti no cinema o filme O Contador. O filme conta a história de Cristhian Wolff (Bem Affleck), que desde a infância sofre com ruídos e problemas de sensibilidade, e é diagnosticado com autismo.



Embora seja apresentada a oferta de ele ir para uma clinica que cuida de crianças especiais, seu pai insiste que ele fique em casa e aprenda a viver no mundo de pessoas comuns. Ao crescer, Cristhian se torna contador, graças a sua facilidade com números, embora antissocial. Ele então se estabelece em um escritório numa pequena cidade, e trabalha com a comunidade, enquanto por de baixo dos panos, ele cuida da contabilidade de algumas organizações muito perigosas.
Cristhian acaba sendo muito bem recomendado por ser alguém muito dedicado e competente, e que sabe guardar segredos, mas ninguém sabe quem ele é, e só consegue ser contratado por recomendação. Em determinado ponto, Cristhian é contratado para vistoriar os livros contábeis de uma grande empresa, a Living Robotics. Não demora muito e Cristhian descobre uma fraude de milhões nos livros da empresa e isso coloca sua vida e a da colega Dana Cummings (Anna Kendrick), em perigo.


Nesse momento, nós pensamos que vamos encontrar muitas respostas para como ele pode ser tão bom, e porque é tão recomendado e como consegue se manter anônimo mesmo sendo conhecido, mas infelizmente o filme fica um pouco raso nesse ponto.
Conforme eu ia vendo essa produção que sinceramente é muito bem trabalhada tecnicamente, mais eu ficava instigada para descobrir e seguir com Cristhian na odisseia da vida dele, e essa foi a característica mais presente durante todo o filme. No entanto as pontas que estão soltas não são bem amarradas, e deixa o filme com o ar de superficial, o que me fez sair da sala de cinema com o pensamento: Se fosse um livro, com certeza seria mais aprofundado questões que no filme foram apenas citadas, como a relação dele com o pai e o irmão, a forma como ele via o mundo a partir da ausência da mãe, os relacionamentos dele, que querendo ou não ele se encontra em sociedade, e as angustias de pensar em outra frequência podem tê-lo moldado e feito ser quem ele se tornou.
Até que ponto o autismo dele interfere nas relações sociais? Porque ele consegue se relacionar com algumas pessoas e com outras não? Porque ele se interessa tanto pelo perigo? Como ele se sentia durante a infância e adolescência sendo criado apenas pelo pai? Como era o relacionamento dele com o irmão? O que aconteceu com o irmão?
Parecem questões de mais para serem tratadas em um único filme de duas horas? Sim, e é por isso que o Contador deveria ter um livro, porque quem gosta de cinema e de livros sabe que sempre que um livro é adaptado para o cinema, acaba se perdendo detalhes, e é isso o que falta ao filme: os detalhes.



Pode ter sido uma escolha proposital dos roteirista (Bill Dubuque) e diretor (Gavin O'Connor), para fazer transparecer como Cristhian enquanto autista era limitado e raso, mas eu prefiro acreditar que não, que talvez tenha sido só uma forma de manter o publico instigado até o fim, e olha, funcionou!

You Might Also Like

0 comments

Página Um Beijo